Após anos de tentativas frustradas para entrar no mercado brasileiro, a irlandesa Smurfit Kappa encontrou em meio à crise a brecha adequada para realizar sua estreia nacional. Beneficiando-se da queda no preço dos ativos, a fabricante de papéis para embalagens anunciou nesta semana a compra das brasileiras Indústria de Embalagens Santana (Inpa) e Pe Paema Embalagens, por R$ 805 milhões.

Agora, a companhia planeja otimizar as operações nas instalações adquiridas, preparando a casa para uma esperada retomada da economia brasileira em 2017. Enquanto isso, mantém no radar possíveis novas consolidações em território nacional.

Líder no setor de papéis para embalagens, a brasileira Klabin sofreu um baque inicial com a chegada da nova competidora: as ações da fabricante de papel e celulose fecharam em queda de mais de 6%, liderando as perdas do Ibovespa na segunda-feira, após o anúncio da concorrente. Analistas, no entanto, avaliam que a entrada do novo agente não é motivo suficiente para causar uma ruptura no mercado.

"A Smurfit tentou entrar no Brasil por um bom tempo, posto que o país representa cerca de 40% do mercado latino-americano de papelão ondulado e já tínhamos uma forte presença em outros países da região, mas ainda não havíamos encontrado os alvos certos, ao preço adequado", relata o colombiano Juan Guillermo Castañeda, presidente da Smurfit Kappa para as Américas.

Segundo o executivo, a compra simultânea das duas companhias, com uma capacidade combinada de 210 mil toneladas de papelão ondulado - cerca de 6,4% do mercado brasileiro, onde a Klabin é líder com 15% de participação -, coloca a empresa em boa posição para atender a uma parte significativa do território nacional, incluindo Nordeste, Rio e São Paulo e o Sul do país.

Após o anúncio das aquisições, a agência de classificação de risco Fitch Ratings cortou a perspectiva da nota de crédito "BB+" da Smurfit Kappa de estável para negativa, devido ao ritmo acelerado de compras da empresa. Recentemente, a companhia irlandesa também realizou aquisições na República Dominicana, El Salvador e Costa Rica, como parte de esforço para diversificar sua base de ativos para além da Europa e fortalecer sua posição de liderança em papelão ondulado na América Latina.

No entanto, apesar do sinal amarelo da agência de rating, a fabricante não tem qualquer intenção de colocar o pé nofreio em seu processo de crescimento inorgânico. "Precisamos manter nossa estratégia de crescimento, não podemos desacelerar, desde que o balanço da companhia permita", afirma Castañeda.

No Brasil, diz ele, não há pressa, mas existe o interesse em ampliar a operação local, caso surjam oportunidades de fusão, com ganhos de sinergia a partir da atual base de ativos. Neste caso, negócios podem ocorrer tanto no mercado de papelão ondulado, feito de material reciclado, quanto no setor de kraftliner, de fibra virgem.

O difícil momento da economia brasileira não assusta a empresa, garante o executivo. "Temos uma visão de longo prazo e entendemos os ciclos econômicos, particularmente em países latino-americanos, onde temos operado há muito anos. Pudemos entrar no Brasil devido à situação atual, e agora temos 2016 para entrar em boa forma e esperar a recuperação que com sorte ocorrerá em 2017", afirma.

A Smurfit é o terceiro grande grupo internacional a entrar no mercado brasileiro de embalagens de papel - após a WestRock, em 2005, e a International Paper, em 2012 -, ampliando a competição para a líder Klabin.

No entanto, na avaliação do analista Lucas Ferreira, do banco J.P. Morgan, a companhia brasileira tem vantagens em relação à competidora especializada em papelão ondulado, uma vez que possui produção integrada de fibra virgem e um mix mais rico de produtos, com embalagens longa vida e papel cartão.

Além disso, acredita Ferreira, a maior fatia de mercado da Klabin em papelão ondulado é uma vantagem competitiva relevante e o fato de o setor ainda ser extremamente fragmentado representa um empecilho para uma eventual guerra de preços.

A Smurfit Kappa registrou um faturamento global de € 6,02 bilhões nos nove primeiros meses de 2015, contando com 350 unidades produtivas em 33 países - 21 deles na Europa e 12 nas Américas. A companhia é lider no setor de papelão ondulado na América Latina.

Com a compra da Inpa, cujos ativos líquidos são avaliados em R$ 129 milhões, a Smurfit passa a contar com unidades em Pirapetinga e Uberaba (MG) e escritórios no Rio e em São Paulo. Já a aquisição da Paema, com ativos avaliados em R$ 26 milhões, dá à irlandesa unidades em Bento Gonçalves (RS) e Maranguape (CE). A força de trabalho conjunta é de 1,7 mil pessoas e a empresa espera gerar sinergias de € 6 milhões até o fim de 2017.

 

Fonte: Valor Econômico - publicado em 06/01/2016

 

 

 

 

 


BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS